Beleza é fundamental

Beleza é fundamental

Bonita e de Deus

“As feias que me perdoem, mas beleza é fundamental”, assim começa o texto Receita de Mulher. Nele Vinicius de Moraes faz questão de ressaltar a beleza como indispensável para o sucesso feminino.  Mas, já ouvi alguém dizer que “Para o sapo o ideal de beleza é a sapa”. Ou como disse o poeta espanhol Ramón de Campoamor, “A beleza está nos olhos de quem vê”. Marina Demartini apresenta um interessante artigo com o titulo “Ciência prova que a beleza está nos olhos de quem vê”, onde, segundo ela, “pesquisadores revelam que as leis da atração podem estar mais relacionadas com as experiências únicas e sutis de cada pessoa do que com os genes”. Mas havemos de concordar que não seria preciso provar esse pensamento de Ramón cientificamente, pois basta uma olhadela para percebermos que nem tudo que é belo para alguém, é belo para o outro.

Há vários padrões de beleza, que vão mudando com o tempo, lugar, cultura, experiências pessoais e etc… O que Vinicius de Moraes estereotipava como beleza, pode não ser o que você percebe como belo. Mas o que define o belo? Ou talvez, “O que me faz ser Bonita?” Convido cada uma de vocês a buscarem nas Paginas Redentoras da Palavra de Deus, não uma resposta para essas pergunta, mas uma reflexão sobre essas perguntas. Porque embora o mundo queira ditar o padrão de beleza a ser seguido, você é muito mais que “um rosto bonito e um belo par de pernas”, você é filha do Rei, você é de Deus. A Bíblia fala de algumas mulheres que eram bem bonitas, cuja beleza, segundo os padrões da época, sobressaia às demais. Vamos citar algumas delas:

Bete-Seba (2 Samuel 11:2-3)

 Sara(Gen. 12:11 e 12)

 Rebeca (Gen. 26:6 e 7)

 Raquel (Gen. 29:16-20)

Abigail (1 Samuel 25:2-3)

Tamar, Irmã de Absalão (2 Samuel 13:1)

 Abishag, a sunamita (I Reis 1:3-4)

Ester (Ester 2:7)

Rainha Vasti (Ester 1:10-11)

 As filhas de Jó (Jó 42:15)

Um adjetivo comum que aparece em relação a essas personagens é “formosa”, geralmente ligado à expressão “formosa aos olhos”, o adjetivo formosa usado nesses versos citados, vem de uma palavra hebraica que pode ser traduzida como, belo, beleza, conveniente, agradável. Esse adjetivo não é dado a todas as mulheres na bíblia, no caso da irmã de Raquel, por exemplo, (Gen.29: 16)  o narrador destaca que Raquel era de “formoso semblante” ao contrário de Lia que tinha “olhos tenros”. A palavra da qual foi traduzida a expressão “tenros”, pode também ser traduzido por apagados, fraco. Parece que o narrador quis ser educado e usou um eufemismo, pois o contexto da a entender que Raquel era formosa, mas sua irmã era sem graça ou feia.

beleza_tropeço

O uso responsável e saudável de sua beleza, ou de qualquer característica que possua, depende do seu caráter. Não faça da sua beleza uma isca, não a use para iludir as pessoas e delas tirar proveito. E não pense que pelo fato de você preencher os requisitos mediáticos de beleza tem o direito de se considerar melhor do que os outros. Todos podem ser belos aos olhos de alguém.  E todos tem o dever de refletir a imagem do Criador nas características que herdou.

“A juventude passa depressa e logo chega a velhice. Estamos determinados a crer no velho ditado “ser elegante é fazer coisas elegantes”. Nenhum rosto possui uma beleza verdadeira que não reflita nos atos de uma alma bondosa. Não há um pensamento, palavra ou ação que não deixe sua autobiografia escrita no semblante humano. Se o coração que bate por baixo é caloroso e amável, e se a alma que olha além dos olhos é verdadeira e pura, assim o rosto será sempre bonito. Ele encontrou a fonte verdadeira da juventude. E mesmo que o tempo embranqueça o cabelo, e enrugue sua fronte, ainda assim sempre existirá uma beleza iluminando o que anos não podem escurecer, pois o coração e a alma nunca envelhecem.” (Ellen White, The Health Reformer).

“Existe um ornamento imperecível, o qual promoverá a felicidade de todos ao redor de nós nesta vida e fulgirá com brilho que não desmerece no futuro imortal. É o adorno de um espírito manso e humilde… Quão pouco valor têm o ouro, as pérolas ou custosa ostentação comparados à beleza de Cristo! A beleza natural consiste da simetria ou da harmoniosa proporção das partes, de uma para com outra; mas a beleza espiritual consiste na harmonia ou semelhança de nossa alma com Jesus. Isso tornará seu possuidor mais precioso que o ouro fino, mesmo o ouro de Ofir. A graça de Cristo é, de fato, adorno de incalculável preço. Eleva e enobrece seu possuidor, reflete raios de glória sobre outros, atraindo-os também para a fonte de luz e bênçãos.”  (Ellen White, Orientação da Criança)

Em Cristo não havia beleza nem formosura, mas foi o homem mais belo que já pisou nesta Terra. Não posso encerrar, sem antes destacar a postura da Rainha Vasti quando recebeu a ordem para comparecer e desfilar diante dos amigos bêbados do marido. Nas palavras de Ellen White:

“Ao receber essa ordem do rei, Vasti não a cumpriu, porque sabia que Assuero tomara muito vinho e se achava sob a influência da bebida intoxicante. Por amor do marido e de si mesma, resolveu não abandonar sua posição na chefia das mulheres da corte. Foi quando o rei não estava em si, quando sua razão fora destronada pelo beber vinho, que ele mandou chamar a rainha, a fim de que os presentes ao banquete, embrutecidos pelo vinho, contemplassem sua formosura. Ela procedeu em harmonia com uma consciência pura.” (Ellen White, Vidas que Falam)

Como já havia dito, o objetivo com essa postagem não é dar respostas, mas oferecer um convite à reflexão. Sejamos “feios ou belos”, nosso dever é ser imagem e semelhança de Deus.

Ricardo Santos

por Emanuelle Sales

18 Comentários

  1. Josie

    Parabéns, belas palavras.

    10 de fevereiro de 2017 @ 15:48
    • Ricardo

      Obrigado, Josi.

      10 de fevereiro de 2017 @ 18:26
      • Emanuelle Sales

        Obrigada, Ricardo, pela sua participação aqui. Com certeza enriquecedora!

        10 de fevereiro de 2017 @ 21:40
        • RICARDO

          Obrigado pelo espaço que me emprestou. Respeito muito seu ministerio.

          10 de fevereiro de 2017 @ 23:59
  2. Cinthia

    Muito bom!
    “feios ou belos”, nosso dever é ser imagem e semelhança de Deus.

    10 de fevereiro de 2017 @ 16:45
    • RICARDO

      Nossa missao está vinculada a nossa identidade. “Imagem e semelhança”

      11 de fevereiro de 2017 @ 0:01
  3. Rebeca

    Que texto ótimo. Muito edificante! Já compartilhei!!!

    10 de fevereiro de 2017 @ 19:06
    • RICARDO

      Fico feliz em ler seu comentario. Abraço.

      11 de fevereiro de 2017 @ 0:02
  4. Elaine Teodorio

    “Todos podem ser belos aos olhos de alguém. E todos tem o dever de refletir a imagem do Criador nas características que herdou.”

    Sou a menina dos olhos de Deus!

    Excelente texto, que Deus abençoe.

    10 de fevereiro de 2017 @ 23:00
    • Ricardo

      E Ele cuida de vc com mto carinho.

      12 de fevereiro de 2017 @ 20:02
  5. Rafael Freitas

    Mestre Rick, como sempre me surpreendendo com palavras inspiradoras!!!

    11 de fevereiro de 2017 @ 8:10
    • Ricardo

      E vc com sua amizade rs

      12 de fevereiro de 2017 @ 20:05
  6. Gessylane

    A princípio o titulo me intrigou , pensei “como assim ? ” imaginei varias coisas (risos)…” “preciso ler, posso está equivocada !”
    Então fui lendo e compreendendo o objetivo do texto , Amo cada Leitura do blog são edificantes! É uma bênção,Parabéns .!

    11 de fevereiro de 2017 @ 21:54
    • Emanuelle Sales

      Awwww que linda vc! Teve gente que já criticou sem nem ler. Obrigada por ler e deixar seu recado. Beijinhos

      12 de fevereiro de 2017 @ 1:11
    • Ricardo

      Tem gente que brigou comigo rs

      12 de fevereiro de 2017 @ 20:07
  7. Rosangela

    Belas palavras. parabéns!
    É importantíssimo repensar os valores decorrentes da beleza exterior.

    25 de março de 2017 @ 8:44
  8. Marco RJ

    Duvido que tenha sido “as muitas feias”. Haveria o poeta de dizer que seriam as muitas (mulheres) feias? Ou uma grave falha de concordância tenha acontecido ou seriam “as muitO feias”? No caso último, trazendo a ideia de intensidade, como pouco feias, nada feias, muitíssimo feias, ou seja, haveria mesmo acontecido tal desvio na ideia em que se aponte para quantidade de pessoas feias mulheres no pensamento de Vinícius?

    29 de março de 2017 @ 5:57
    • Emanuelle Sales

      Obrigada pelo toque, amigo. Como o texto é de um participante especial, não tinha averiguado a frase de Vinícius na íntegra. Arrumei já. Abraços!

      29 de março de 2017 @ 17:03

Publicar um comentário

Seu e-mail será nunca publicado ou compartilhado. Campos obrigatórios são marcados *

*
*

ou